FANDOM


Nota: As informações aqui presentes não possuem a pretensão de serem historicamente precisas. Este cenário da Polônia medieval trata-se de uma realidade alternativa, que é apenas moderadamente baseada nos nossos livros de história. Sendo assim, muitos dos nomes e fatos históricos descritos nesta sessão foram alterados com o propósito de adequarem-se não só à nossa trama como também à nossa pronúncia.

Os povos eslavos que viviam na área região que formaria a Polônia dividiam-se em três grandes grupos: os POLANOS, que habitavam ao longo do Rio Varta; os MASÓVIOS que ocupavam a região central do Rio Vistula; e mais ao norte, na beira do mesmo rio, os WISLANOS.

A região da Silésia era habitada pelos OPOLES, GOZLESINTIANOS e SLENZANOS, mais os norte, na costa do Mar Báltico, entre os rios Vistula e Óder viviam os PRÚSSIOS, um povo Báltico não eslávico, mas que em linguagem e cultura se assemelhava muito com os LITUANOS.

Os rios poloneses, similarmente aos russos, eram rotas comerciais. As pioneiras cidades de PÓZNAN e KRUSCHWITZ têm sido centros comerciais há diversos anos. Elas foram a base de poder para os Duques polacos da Dinastia Piast.

ORIGENS DO REINO DA POLÔNIAEdit

De acordo com o mito Polaco, as nações eslávicas traçam suas origens até três irmãos que vagavam pelas florestas do Leste Europeu, cada um seguindo caminhos separados para fundar suas respectivas famílias, que haveriam gerado os povos que habitam estas terras.

Analisado com um pouco mais de interesse científico, este conto descreve de maneira bem apurada as graduais migrações das primitivas populações eslávicas seguido do colapso do Império Romano. Com o advento da Idade das Trevas, cerca de vinte tribos começaram a formar estados entre do ano de 800 d.C. e 960 d.C. Uma dessas tribos eram os Poles ou Polacos (“Povo da planície”), assentados nos aplainados que eventualmente formariam o coração da Polônia, emprestando seus nomes ao País. Com o tempo, os modernos Poles emergiram como os mais vasto grupo eslávico, estabelecendo-se nas regiões a leste da Germânia tendo como vizinhos seus primos étnicos, os Tchecos e Slovakos ao Sul.

Apesar de existirem convincentes evidências de organização política e social anteriores, o costume nacional definiu que a data que marcou o início da contagem da história da Polônia como um país foi o ano de 966, quando o Príncipe Mieszko aceitou o Cristianismo em nome do povo sobre o qual reinava. Em troca, a Polônia teve reconhecida sua soberania como um principado individual, devendo algum grau de tributo ao Império Germânico (que mais tarde ficou oficialmente conhecido como Sacro Império Romano) que, sob o comando de Otto I, era uma força expansionista no Oeste em meio ao X século.

Mieszko apenas aceitou o batismo se viesse diretamente de Roma, desta forma não se submetendo à Igreja Alemã, o que invariavelmente implicaria na subsequente anexação dos territórios poloneses aos germânicos. Esta estratégia inaugurou a íntima conexão entre a identidade nacional polonesa e o catolicismo romano, que passou a se tornar proeminente na história dos polacos.

Mieszko é considerado como o primeiro governador da DINASTIA PIAST (nome de um lendário camponês que fundou a família), que durou por quatro séculos. Entre 967 e 990, o Duque conquistou uma quantidade substancial de território ao longo do Mar Báltico e na região conhecida como Baixa Polônia (ou Pequena Polônia) ao sul.

Ao tempo que ele oficializou sua vassalagem para com a autoridade da Igreja Católica do Vaticano no ano de 990, Mieszko havia transformado o reino em uma das mais poderosas forças do Leste Europeu.

DA FUNDAÇÃO DO ESTADO ATÉ A ÉPOCA DA CRÔNICAEdit

Em 963, o duque Polaco MIESZKO adquiriu soberania imperial por prometer o pagamento de tributo ao Sacro império romano germânico. Em 966 ele casou-se com a filha do cristão Duque da Boêmia, desta forma aceitando o BATISMO. Com ele, o povo converteu-se à CRISTANDADE.

A influência do imperador Otto do Sacro Império Romano Germânico aumentou sobre a Polônia dada a força expansionista que os alemães representavam por causa da legitimidade conferida à eles pela Igreja Católica – o filho de Mieszko, BOLESLAW, cresceu na corte de Otto como um refém para garantir a continuidade da lealdade do Duque.

Foi então que o Grão-Duque da Polônia, de modo a contrabalançar a influência do Imperador germânico, fez da Polônia um presente simbólico a São Pedro (o fundador da Igreja) no ano de 990. Sendo assim, com o protetorado da Igreja Católica, começou a reconquista da Pomerânia, uma território que há muito cobiçava. O filho e sucessor do Duque Mieszko recebeu o nome de Boleslaw I (992-1025), mas ficou conhecido por sua alcunha ‘o Bravo’, após uma vida inteira construindo em cima das aquisições de seu pai, tornando-se o mais bem sucedido monarca dos primórdios da era medieval. Inicialmente Boleslaw apenas seguiu com a política do pai, que consistia em aplacar os germânicos enquanto tirava vantagem de quaisquer controvérsias naquele governo para conquistar territórios sempre que possível. Em pouco tempo o novo rei derrotou os Wislanos, Slezanos, Opoles e Golensitianos, povos que prestavam vassalagem à Boêmia. Chamando atenção desta maneira, não demorou muito para que o conflito entre Poloneses e Boêmios também ocorresse.

Após suas campanhas vitoriosas no oeste, um tratado de paz foi assinado com a Boêmia, e Boleslaw viajou à Prússia para vingar a morte do missionário ADALBERTO, que havia sido assassinado e sepultado naquelas terras. E após ser bem sucedido no cerco à cidade, retornou para sua terra natal trazendo consigo o cadáver e demais relíquias religiosas do missionário Adalberto.

O mártir foi beatificado como São Adalberto e sepultado no que daqui em diante seria conhecida como Arquidiocese de Gnieszno. Até mesmo o próprio imperador Otto III visitou Gnieszno na expectativa de banhar-se na glória da conquista polaca e quem sabe abocanhar algumas das relíquias para si mesmo, porém não foi bem sucedido nesta empreitada – o que elevou sensivelmente a tensão entre as duas nações.

Após a morte do imperador Otto III em 1002, foi a vez de Boleslaw visitar HENRY II, o herdeiro e agora imperador do Sacro Império Romano Germânico, na expectativa de obter reconhecimento como um verdadeiro Rei. Entretanto Henry não estava inclinado a trocar seu apoio sem que lhe fossem pagos pesados tributos e Boleslaw, frustrado em seus esforços para constituir uma parceria igualitária com o Sacro Império Romano, ergueu seus exércitos e foi à luta, anexando vários territórios vizinhos em uma série de guerras contra seu opressor imperial nos idos de 1003 e 1004. Diante deste quadro de instabilidade, o Sacro Império Romano Germânico então perdeu o controle sobre a população eslávica entre os rios Elbe e Óder forçando o Imperador Henry II a costurar um tratado de paz em 1013, abrindo mão do território da Lusatia em favor de Boleslaw.

Tal iniciativa não foi capaz de cessar completamente as hostilidades até que, finalmente, no ano de 1025, Boleslaw foi finalmente coroado Rei polonês – contando com o apoio e reconhecimento de Henry e da Igreja Católica perante os demais Príncipes europeus. Semelhante a nenhum outra nação do oeste (exceto pelo próprio império germânico), a Polônia obteve agora o status de Reino e podia reclamar total independência.

Após essa pacificação dos conflitos com o Ocidente, o conquistador polaco Boleslaw virou-se para o Oriente, estendendo as fronteiras de seus domínios até os limites do que atualmente é a Ucrânia. Logo após sua morte em 1025, Boleslaw foi reconhecido como o primeiro rei de uma Polônia completamente independente e soberana.

Sob o reinado de seus sucessores, a Lusatia foi perdida novamente, e o estado desintegrou-se. Entretanto, um de seus herdeiros chamado KAZIMIR I unificou a Polônia novamente e restabeleceu a Igreja. Ele fez da Krakóvia sua residência permanente, com o Wawel tornando-se o castelo real.

A região ao redor da Krakóvia veio a ser chamada de BAIXA POLÔNIA, ao contrário da Região de Gnieszno-Póznan (a ALTA POLÔNIA). E um grande número de MONASTÉRIOS BENEDITINOS encontravam-se apenas relaxadamente nas mãos dos Polacos, pontilhando os territórios – enquanto as missões na Pomerânia (uma região que o Imperador manteve sob vassalagem a partir de 1135), precisaram ser reiniciadas novamente.

Ad blocker interference detected!


Wikia is a free-to-use site that makes money from advertising. We have a modified experience for viewers using ad blockers

Wikia is not accessible if you’ve made further modifications. Remove the custom ad blocker rule(s) and the page will load as expected.