FANDOM


Tzimisce é um clã composto por lordes feudais, bruxos pagãos e moldadores da carne e dos ossos através de sua disciplina exclusiva: a Vicissitude. Se alguém chamasse um Tzimisce de desumano e sádico, o Tzimisce provavelmente o elogiaria por sua perspicácia e depois demonstraria que sua definição mundana de sadismo é ridiculamente inadequada. Vampiros deste clã frequentemente deixam a condição humana para trás com grande prazer, e em suas novas existências se concentram em transcender as limitações do estado vampírico.

Um olhar casual ou mesmo uma breve conversa, seriam capazes de classificar os Tzimisce como uma das espécies vampíricas mais agradáveis: polidos, inteligentes e curiosos, parecem contrastar enormemente com seus primos mais humanos. No entanto, uma inspeção mais próxima, ficaria claro que esta é simplesmente uma máscara escondendo algo alienígena e monstruoso.

A fraqueza do clã Tzimisce dita que sempre que um Tzimisce dorme, eles devem cercar-se com pelo menos dois punhados da terra de um lugar importante para eles quando mortais. Não atender a este requisito faz com que o personagem seja penalizado em sua parada de dados a cada 24 horas, até que todas as suas ações usem apenas um dado. Esta penalidade permanece até que o Tzimisce descansem por um dia inteiro em meio a sua terra mais uma vez.

Disciplinas: Auspícios, Animalismo e Vicissitude

CaracterísticasEdit

O clã Tzimisce é um clã venerável, mergulhado em tradição e conhecimento que por um longo tempo tem se agarrado às suas raízes bálticas e que até recentemente era considerado inconquistável. Isto, é claro, torna as atuais noites de caóticas ainda mais intoleráveis.

Por muito tempo os Tzimisce estiveram entre os mais cultos e eruditos Cainitas. Por milênios, outros vampiros tem feito a perigosa jornada até os Cárpatos em busca da sabedoria do clã (o fato de que muitos desses vampiros jamais retornam detém poucos deles}. Até a ascensão dos Tremere, os Tzimisce eram considerados os mestres feiticeiros entre os vampiros, praticando uma bizarra amálgama de rituais alquímicos, feitiços eslavos e demonologia. Dentre seus membros, a erudição e habilidade feiticeira só ficavam em segundo lugar em relação à terra possuída, na hora de determinar o status de um vampiro.

A sabedoria Tzimisce raramente se justapõe com preocupações humanas, e apenas intermitentemente com as vampíricas. O clã tem o seu próprio projeto, pouco preocupado com os mesquinhos esquemas de seus primos. Enquanto outros vampiros se veem como amaldiçoados, os Tzimisce encaram a si mesmos como mestres de seus destinos, subservientes a nenhum deus ou demônio. Dentre todos os clãs, os Tzimisce são aqueles que possuem uma filosofia que é muito similar ao que será um dia chamado de "pensamento humanista". Não que o clã seja de alguma forma humanístico, humanitário ou mesmo humano. Na verdade, os Tzimisce demonstram um frio desprezo pelas criaturas inferiores que lhes garantem nutrição e exércitos, e mesmo os outros vampiros são na melhor das hipóteses considerados como seres de segunda classe. Os Tzimisce acreditam que com suficiente maestria da sua disciplina exclusiva da Vicissitude, eles são capazes de literalmente esculpirem seus próprios corpos à imagem de Deus - ou até mesmo em algo superior.

O contínuo refinamento da Vicissitude tem colhido muitas recompensas práticas. Nenhum clã é tão habilidoso na criação e emprego de carniçais. Os Tzimisce, através do livre uso de sua aptidão para esculpir a carne e os ossos, são terrivelmente habilidosos na arte da guerra. Apesar de outros vampiros poderem ser pessoalmente mais formidáveis em batalha, ninguém é tão aterrorizante quanto eles. Um ataque Tzimisce típico ostenta a imagem de uma horda de monstros-carniçais distorcidos saídos diretamente de um pesadelo. Essas ofensivas são ainda mais assustadoras quando lideradas pelos próprios Lordes Tzimisce, frequentemente em suas gigantescas e quase invulneráveis formas Zulo. Mais ainda, as histórias que contam o que os Tzimisce fazem com seus desafetos frequentemente levam a oposição a fugir ao invés de arriscarem a captura. Existem razões tangíveis pelas quais a Europa Oriental deu origem a tantas histórias de terror.

Os Tzimisce têm usado seu poder para esculpir servos-carniçais de acordo com suas especificações, criando legiões de lacaios assustadores. Monstruosos cães infernais com mandíbulas de tubarão, alguns tão grandes quanto pôneis, espreitam os domínios do clã. Esquadrões de carniçais que um dia foram humanos, que tiveram seus próprios ossos pervertidos no formato de armas de guerra, avançam sobre as vilas durante a noite para coletar o tributo em nome de seus mestres. Porém os mais assustadores de todos são os Vozhd, também conhecidos como "carniçais de guerra": horrores elefantinos criados pela fusão de uma dúzia ou mais de carniçais (humanos ou animais), constituindo abominações dotadas de múltiplos membros e mandíbulas.

Força e InfluênciaEdit

O clã Tzimisce apesar de suas presentes dificuldades, agarra-se tenazmente à suas terras natais na Europa Oriental, que têm assombrado desde suas primeiras noites. Os Tzimisce mantém fortalezas e controlam marionetes na Hungria, Polônia, Bulgária, Valáquia, Bavária, Aústria, Sérvia e Rússia. O clã é particularmente forte na Lituânia pagã, onde certos anciões poderosos ainda mantém a adoração aos antigos deuses eslavos. Lá, o clã luta contra os Cavaleiros Teutônicos, que carregam a espada do Cristianismo.

Os Tzimisce mantém seu poder temporal através de seus lacaios revenantes, que não são nada mais do que famílias carniçais com poderes sobrenaturais hereditários. Através de casamento, intimidação e violência aberta, linhagens de lacaios vem se infiltrando na maioria das famílias nobres da Europa. O clã também colocou suas garras em torno da Igreja Ortodoxa, contudo nem de longe na mesma extensão que seus primos Lasombra o fizeram em relação à Igreja Católica Romana.

OrganizaçãoEdit

Os Voivodes governam "famílias" de crianças da noite; essas crias são obrigadas a se submeter ao Laço de Sangue para garantir sua lealdade aos seus senhores. Entretanto, essas crianças da noite raramente possuem quaisquer obrigações em relação umas às outras, e como consequência disso, séculos de disputas brutais pela preferência dos voivodes, em uma grotesca paródia de interação familiar, permanecem como norma entre a prole Tzimisce. Ocasionalmente, um voivode poderá conceder a uma cria favorita algumas responsabilidades pontuais, como a supervisão dos carniçais, interação com os servos ou a manutenção do castelo ancestral - mas isto é incomum.

O clã era muito mais unificado nas noites antigas, porém a complacência e decadência de seus membros tornou a geografia política do clã cada vez mais fragmentada, guardando um mudo testemunho da desarmonia que rasga o clã. Via de regra, cada vampiro Tzimisce possui seus próprios objetivos com pouca ou nenhuma preocupação com o bem-estar do clã como um todo. Apesar de tal egocentrismo ser comum à condição cainita, a arrogância e o territorialismo Tzimisce asseguram que dois voivodes em conflito tenham menor probabilidade de chegar a um acordo (ou serem forçados a um acordo) do que, por exemplo. dois anciões Ventrue.

Conforme mais e mais voivodes caem diante da pira, estaca ou feitiços, números crescentes de neófitos despossuídos correm pela noite. Essas crias estabelecem domínios próprios sem direito para tal e, da melhor forma que podem, ou simplesmente caminham para reinos desconhecidos além do Danúbio. Algumas poucas dessas crianças da noite, tomando posse de artefatos que outrora pertenceram aos seus senhores, conseguiram sucesso por conta própria no ocidente.

Preocupações atuaisEdit

Obviamente, a guerra com os Tremere é uma sombra sobre as atuais aspirações do clã. De seus castelos nas alturas, os Demônios cospem sua fúria contra os feiticeiros Tremere e lançam legiões de crianças da noite e carniçais contra suas capelas. Desafortunadamente, com a ascensão de novas espécies de criaturas que servem aos próprios Tremere, essas táticas têm se mostrado cada vez menos efetivas. A luta interna do clã apenas piora este problema.

Como se isso não fosse o bastante, muitos domínios Tzimisce estão ruindo por dentro. Os súditos humanos destes vampiros, cansados após séculos de abuso, tem dado as boas vindas aos invasores; até mesmo os alemães, eles imaginam, devem ser melhores mestres que os rapinantes voivodes na montanha acima da vila. Esta atitude choca os membros do clã, que freqüentemente veem seus súditos como extensões não pensantes da terra ancestral.

Muitos jovens Tzimisce, furiosos com a "traição" de seus súditos, têm começado a adotar uma postura ativamente hostil em relação à humanidade.

Práticas atuaisEdit

A guerra com os Tremere não apenas rompeu o tradicional estilo de não-vida dos Tzimisce, mas também deixou claro que os anciões do clã estavam desconectados com as necessidades de sua progênie. Em um esforço para manter sua identidade propósito, muitos jovens Tzimisce têm congregado entre si. Esses Tzimisces celebram os antigos rituais da terra (a Noite de Kupala, os equinócios, etc.) com grandes festividades comunais (algo que um observador externo poderia chamar de "massacres"). Nestas festas, os Tzimisce reafirmam mutuamente sua lealdade diante das adversidades, efetivamente compartilhando do sangue um do outro. Alguns Tzimisce sussurram que aqueles que têm participado destes festivais por anos ou décadas se tornam menos submissos ao controle de seus voivodes.

ReferênciasEdit

  • Vampiro: A Idade das Trevas V20, p. 91,92

Ad blocker interference detected!


Wikia is a free-to-use site that makes money from advertising. We have a modified experience for viewers using ad blockers

Wikia is not accessible if you’ve made further modifications. Remove the custom ad blocker rule(s) and the page will load as expected.